"O sábio procura a ausência de dor e não o prazer." (Aristóteles)

"O maior prazer que alguém pode sentir é o de causar prazer aos seus amigos." (Voltaire)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

ANO NOVO É CADA DIA — Até terminar 2017



Mensagem

ANO NOVO É CADA DIA — Até terminar 2017

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           DESEJO-LHE UM DIA DE CADA VEZ EM 2017 e que o tempo passe mais lento para os entediados! Se quiser valorizar, e planejar o ano novo, e profetizar, tomara que seja tempo perdido, a fim de que o tédio o faça longo e cansativo. Maldito todos os dia de uma só vez . É portanto um valor que eles não querem ver: o dia da vez. "Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver." (Dalai Lama)
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 28/12/2015
Reeditado em 29/12/2015
Código do texto: T5493702
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 19 de dezembro de 2015

CRITÉRIO DE APROVAÇÃO ESCOLAR ("Dominam-se mais facilmente os povos excitando as suas paixões do que cuidando dos seus interesses." - Gustave Le Bon)



Crônica

CRITÉRIO DE APROVAÇÃO ESCOLAR ("Dominam-se mais facilmente os povos excitando as suas paixões do que cuidando dos seus interesses." - Gustave Le Bon)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           O aluno que ameaça o professor, denuncia-o ao diretor, coloca todo mundo em confusão e esculacha o sistema, brigando por nota, sua reputação vale apenas a nota conseguida no grito. É como o marido traído postando as provas da traição nas redes sociais, trocando sua reputação cidadã pela a fama libertina! A nota devia ser o troféu merecido, resultado justo, de quem trabalhou e não, despojo de brigas! Quem não quer cumprir suas obrigações deposita-as em alguém, dobrando a carga dos outros. Então a pessoa sobrecarregada abre mão de um dos fardos e foge da guerra: perseguido pela sua invejada nota dez.
          Eu nunca vi aluno algum pedir ao professor para baixar sua nota, por se achar indigno da tamanha vantagem, porém já vi muitos chamar o professor de injusto por que tentou ser correto ao atribuir-lhe suas miseráveis notas!
          Já vi também alunos injustamente favorecido com boa nota e se sentido perturbado intimamente, então brigam para o professor aumentar a nota dos demais de sua sala aliviando seu peso de consciência, mas jamais pede uma avaliação realmente justa, diminuindo a sua referência. Estranha solidariedade.
          Já vi aluno receber uma nota ajustada a seu mérito; mas por não ser tão boa, tendo comparado com as dos colegas de quem colou, brigou e brigou, falou com as autoridades e conseguiu aumentar sua "credibilidade"(nota), extrapolando em uma avaliação, todavia, com o professor refém, o aluno ganha, negociando os defeitos dele, visto isso, comprova mais uma vez: "fezes quanto mais se mexe mais fede". Ao aluno interessado somente em nota, dá-se-lhe dez, porquanto nota é a moeda do "inferno".
           No outro caso, a aluna não veio no dia marcado para fazer sua prova de Língua Portuguesa, por isso pediu-me outra oportunidade, como a justificativa era fraca: — "pelo menos foi sincera" — disse a coordenadora — "não acordou na hora". No início, eu neguei lhe dar a avaliação, porém orientei a aluna a ir procurar convencer a coordenadora, pois com o aval da superior, seria lhe outorgada a prova. Ninguém quer errar sozinho! No dia seguinte, ela estava autorizada, sendo assim, abri a oportunidade a todos os outros, os quais não fizeram aquela prova. A aluna ficou muito brava comigo por que foi ela sozinha a conquistadora do direito e me formulou uma cobrança.
            — "Professor, o senhor ontem não queria me dar a prova, e hoje o senhor fala para todos, que havia perdido, fazê-la agora. Isso é injustiça! Fui eu quem foi pedir autorização à coordenação. Não eles!"
           A nota adoece o aluno e as possibilidades da nota também, e o professor herda a maldição! No final de bimestre, o professor se isola, não fazendo mais nada, senão fechando nota sob aviso de se não digitar no diário eletrônico até o dia marcado ele se fecha, então o mestre ajeita um ponto para cá, dar outros lá, mesmo não tendo corrigido todas as provas, não pode reprovar aluno, nem dificultar a vida dele. No município, deixei uns quinze de recuperação, já a coordenadora me chamou a atenção, dizendo que não podia. Também não pode passar todo mundo, senão é taxado de frouxo, né! E a plataforma fica congestionada e sobrecarregada, professor fica louco, virando noites em claro com os olhos grudados no computador. Pois se não der conta, vai assinar uma advertência administrativa por ser ineficiente. A notas salvam e condenam!
          Depois de tudo, detesto anunciar as médias à classe, é responsabilidade da secretaria da escola, ninguém fica satisfeito com sua nota, o pior é a maioria jogar a culpa no professor pela tal nota baixa. Quando entrego as provas para o aluno corrigidas, acontece outro fenômeno degradante sempre aparece alguém, dizendo ter feito a prova e não a recebeu, logo o professor é acusado de ter perdido a prova do aluno. E ai do professor se propor para ele fazer outra prova! Termina sempre, doando nota de graça a ele. Outro truque é fazer a prova a lápis, então, quando recebem, remarcam a questão e dizem que o professor errou na correção, eles mereciam mais. Ok, eles venceram.

Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 16/12/2015
Reeditado em 19/12/2015
Código do texto: T5482325
Classificação de conteúdo: seguro

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

SEM RAZÃO PARA MUDAR ("Se fôssemos infinitos Tudo mudaria. Como somos finitos Muito permanece". Bertolt Brecht )


Crônica

SEM RAZÃO PARA MUDAR ("Se fôssemos infinitos Tudo mudaria. Como somos finitos Muito permanece". Bertolt Brecht )

Por Claudeci Ferreira de Andrade

            A certeza de que muita gente me lê, é a quantidade de inimigos que tenho, pois é como já disse Martin Luther King: "Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa." Ainda que pensar e não falar atrofia o cérebro, prefiro as duas coisas. Vou continuar desenvolvendo minha capacidade de pensar, construindo ideias, sobretudo mostrando meu sofrimento,  pois quem dera eu seja capaz de transferir minha dor com a mesma força destruidora do medo, para que vocês sintam o limite da improdutividade, agora já clamando pela mudança. "Quando a dor de não estar vivendo for maior que o medo da mudança, a pessoa muda" (Sigmund Freud).
            Mas, a educação é tão completamente poética e inofensiva, e a poesia, tão escolarizada e sadomasoquista que a inércia educacional não opina por mudança alguma, apena sente e gosta de sentir as muitas possibilidades da possível mudança, mas fica apenas nisso. Essa riqueza, das muitas possibilidades, faz a existência virtualmente diversificada, ou melhor, faz o movimento sem sair do mesmo estado, estático e circular, apenas existe. Então cabe aqui o Fernando Pessoa:
"O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração."
           O fingimento é a movimentação demolidora dos que impõem a mudança, desbancando os que mudam sem querer mudar, é quando os poderosos fingem a mudança como fingem a necessidade de mudança; motivados pela dor que gostam de sentir, ouve bajulações pelos que não veem outra saída. Por isso, é inútil mudar. Somente porque a dor que é de todo mundo, de repente é também de ninguém. Sem motivo real para mudança, finge-se  a mudança, brincando de mudar, sem sair do lugar.
           Só há uma mudança considerável: o desgaste provocado pelo tempo! "Não desloques os marcos antigos que limitam as propriedades e que foram colocados ali por teus antecedentes. Já observaste uma pessoa zelosa em seu trabalho? Pois será promovida ao serviço real; não trabalhará para gente obscura!" (Prov. 22:28,29).

Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 17/11/2015
Reeditado em 30/11/2015
Código do texto: T5451623
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 21 de novembro de 2015

RELAÇÕES DE QUEM ENSINA (Entre nós, o que importa é eu me dar bem.)


Crônica

RELAÇÕES DE QUEM ENSINA (Entre nós, o que importa é eu me dar bem.)

Por Claludeci Ferreira de Andrade

           Ao chegar àquele oitavo ano, o aluno da primeira carteira me pediu que escrevesse com o giz molhado, pois alegava não enxergar muito bem e também o ruído que o giz seco faz, na superfície polida, irritava todo mundo. Eu já tinha molhado meus gizes por muitas ocasiões, só para a escrita ficar mais nítida, assim o fiz novamente sem problema até que, nesse dia, para o quinto horário, o professor de geografia mal entrou à sala, saiu imediatamente a tempo de me alcançar no pátio e se esforçando para ser "educado", pediu-me que nunca mais escrevesse no quadro com giz molhado. Acenei covardemente com um movimento de cabeça que sim, mas o meu cérebro estava trabalhando ao contrário. Será que ele tem preguiça de apagar o quadro com um pano molhado? Como a troca de professor é rigorosa, porque a gente está doido para sair da sala, e o coordenador também vigia muito bem essa situação, então quase sempre não deixamos o quadro limpo para o próximo professor, pois nunca também peguei o quadro limpo do giz molhado, ainda que não sou eu o único praticante desse recurso didático emergencial. Apagar o quadro não me incomoda até os alunos pedem para fazê-lo por gentileza deles.
           Mais mastigadamente pensei, aquele aluno me usou contra o professor que ele não gostava, achando seu ponto fraco, colocou um contra o outro. Quando molhei o giz naquele momento, na verdade eu estava molhando a língua do menino estrategista. Eu era o Lázaro do seio de Abraão de quem o Rico precisava de refrigério no inferno.

           Como o equipamento escolar da rede pública não é de boa qualidade, esta técnica de molhar o giz favorece o uso de giz de péssima qualidade, economizando para a escola. Eu queria saber se ele deixa, todas as vezes que usa, o quadro limpo para o professor da aula seguinte, mesmo não gostando de apagar o quadro. Ou ainda que seus alunos nem terminassem de copiar, antes do sinal bater, avançaria para cima da lousa apagando tudo por ser tão ético e convencional?

           Confesso-me magoado, pela a petulância do colega, achando-se no direito de me chamar a atenção na frente dos alunos com um propósito presumivelmente frívolo, todavia nem fez questão de se justificar. Este deveria ser um assunto para compor a pauta da próxima reunião pedagógica, mas ele preferiu passar por cima das autoridades da coordenação. Fez justiça com as próprias mãos.

           No Ensino Médio, a Coordenadora pedagógica nos fornece o álcool para molharmos os gizes. Pois todos os professores gostam!  Giz molhado também serve de metáfora para falar do ensino dessedentador ou embriagador. No que chamamos de evolução ou jeitinho brasileiro consecutivamente! O cara quer me puxar para baixo, esse professor é demais!
           O que mais me impressiona é a escola ser o celeiro das relações estragadas, sendo um ambiente de educação! E eu irei perguntar àquele aluno lúcido qual de fato era sua intensão. Porque a do professor eu já sei. Ele não repreendeu nem um outro colega dos que escreve  com giz molhado e não se manifestou em nenhuma reunião oficial. Porém, depois de tantos anos apagando matéria escrita por colegas, achei esse que me pressionou com tanta futilidade para facilitar seu trabalho, ainda que dificultasse o meu. Entre nós, na educação, o que importa é eu me dar bem.            
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 14/11/2015
Reeditado em 21/11/2015
Código do texto: T5448814
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

AO PROFESSOR, MERECIDA HOMENAGEM (Orientações saudáveis)


Crônica

AO PROFESSOR, MERECIDA HOMENAGEM (Orientações saudáveis)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Não desmerecendo todas as tentativas oficiais de homenagear os professores em seu dia (15/10/2015), cá em meu ambiente de trabalho, posso destacar a mais justa comemoração. Vinda da coordenadora a divina ideia de oferecer-nos uma mesa cheia de variadas frutas, por isso tive de comer acima do bastante, exagerei até e ainda foi-nos permitido carregar o que sobrou para casa. Assim, a comemoração durou mais de um dia apenas. Para mim, foi ainda mais significativo, não era fruto de "vaquinha", pois além dos sabores das frutas, gozei uma suave sensação de lucro: a gratuidade! Antes de tudo, fomos levados para a sala de informática por causa do ar condicionado e então dispomos de colchonete, ali deitados em duplas, um fazendo massagem no outro, sob as orientações da professora de Educação Física. Não dá para descrever aquela movimentação, com palavras normais, todavia depois de experimentar o toque revigorante de diversificados instrumentos profissionais de uso exclusivo da professora, eu, sobretudo, fui agraciado com seu jeito experiente de fazer. Nem me importei de não ter sobrado ninguém dos colegas para fazer dupla comigo, ela mesma me massageou: Privilégio em dobro.
           Nunca vou me esquecer de que professor também é gente que pode. Basta uns ajudar os outros. E a diversidade de formação completará o todo. Nossos coordenadores que pretendem nos motivar para uma educação melhor, não se engane, uma só isca jamais seduzirá todos os tipos de "peixes", motivem-se para nos motivar.

          Um só dia para os professores será suficiente se forem reabastecidos de vez em quando, com massagens também no ego. O valor de um beneficiará o outro. Já disse, Antoine de Saint-Exupéry: "Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direção". E quem há de mostrar o direção correta?

           Fizeram-me experienciar um momento de viver saudável, na referida aula de relaxamento, quando alguém viu que o professor em seu dia devia está voltado para os valores puros do contato e da inteiração, ao invés de salgadinhos, refrigerantes e muita hipocrisia, como se não bastassem outros tantos males que minha profissão me reserva, fez a diferença. Uma direção foi nos mostrada, agora vou continuar com a saudosa imagem daquela sala e aquela promissora professora  ajoelhada ao lado de um homem de costas para cima, cansado de trabalhar. Ela ensinava-me lições para o meu bem-estar, vibrando-me os ombros, que tinham musculatura rígida, com o motorzinho de raios infravermelhos.  Sem imposição alguma ou segundas intensões, mas profissionalmente, ora se dirigia às outras duplas para orientá-las também, e nem me causava ciumes, era para o bem comum! Assim me fez valer o dia do professor. Como numa academia de ginástica, daquelas profissionais  com uma competentíssima "personal trainer".
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 15/10/2015
Reeditado em 17/11/2015
Código do texto: T5415731
Classificação de conteúdo: seguro

sábado, 7 de novembro de 2015

A EDUCAÇÃO "DESMELHOROU"? (As OSs salvarão?)


Crônica

A EDUCAÇÃO "DESMELHOROU"? (As OSs salvarão?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           É certo que o Estado de Goiás deve implantar OSs (organizações sociais) na área da Educação aos moldes das "charter schools" americanas. "O Palácio das Esmeraldas tem como objetivo melhorar ainda mais a qualidade da rede estadual de ensino, apesar de a Educação em Goiás ficou em 1º lugar do País no ensino médio pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) para o ano de 2014". "Desmelhorou"? "O objetivo é repetir em outras unidades de educação o mesmo sucesso apresentado pelos colégios militares, cujo corpo administrativo é formado por oficiais e praças da Polícia Militar e o corpo docente é preenchido por quadros da Secretaria de Educação." E por que não já se converteram todas as unidades escolares públicas em regime militar? (http://www.jornalopcao.com.br/reportagens/estado-deve-implantar-oss-na-area-da-educacao-aos-moldes-das-charter-schools-americanas-2-25931/) - Acessado em 01/11/2015.
           Se os alunos estivessem preocupados com estudos, respeitavam mais seus professores e a escola. Com OS ou sem OS, a escola, o ensino público vai continuar o mesmo. Mesmo que as escolas militares tenham  muita disciplina, será se têm reprovação zero! Quem faz a boa escola é o bom aluno. Visto que o aluno também vale a captação de verbas federal e estadual para a escola e até o lanche é por cabeça, então o aluno continua sendo o elemento mais importante da unidade escolar. Por isso, o que importa ultimamente para o sistema educacional é a quantidade e não a qualidade. Vou repetir: Acho que qualquer escola é boa quando se tem bons alunos, para isso é somente selecionar o alunado, e perseguir os objetivos essenciais!
           Refutou a aluna Nataliane Xablau Cherry em minha linha do tempo (Facebook): "Não só os alunos,  vamos combinar que a escola deve ser um conjunto de pessoas lutando pela mesma causa... alunos... professores... diretoria... e os ajudantes da escola... todos devem agir juntos... o grande problema não são os alunos deixando de estudar e sim esse joguinho de empurra tentando achar um culpado... que não existe... sendo a solução melhor organização das escolas e dinâmica nas salas de aula... desde que se inicie nas bases da educação... quando alguém aí decidir fazer isso, na minha opinião, tudo vai ficar mais fácil. E lembrem de me avisar ... valeu".(sic).
      Sim, Nataliane Xablau Cherry, você está cheia de razão quando se olha o todo, mas eu penso essa questão como penso em um carro, pode está tudo em ordem, mas se não tiver gasolina (combustível), ele não vai andar. O aluno é o combustível da educação! Qualquer elemento desses a que você se referiu é dispensável, menos o aluno (tudo na escola existe em função do aluno - se não existir aluno não existe escola!), porém se o aluno for autodidata, haverá uma boa escola debaixo de uma árvore ou em uma garagem qualquer com muitos livros e uma conexão de internet! Analisando melhor, o objetivo maior de quem estuda, creio ser a aprendizagem e não aprovação sem mérito. No atual modelo, conta-se mais o número de aluno que é abundante na escola para todos. Por que se priorizam as estatísticas bonitas, quando se sabe que a realidade não condiz? Fica claro então, para a administração, o que importa é a quantidade e não a qualidade. Pois, muito aluno requer muito tudo... De graça!
            A escola precisa continuar sendo o cabide de emprego que é? O sistema está inchado de cargos inúteis! Todavia, nesse caso, como é necessária a sobrevivência, então, podemos nos interessar mais pela quantidade de alunos, que são contados para credenciar as verbas para a escola, a investir-se mais na qualidade. Se quem sabe, deixassem de adotar todos os métodos de aprovação fácil para evitar evasão de alunos, parariam de sacrificar a qualidade pela quantidade! Você já viu salas de aula com 45 alunos que o professor passa o tempo da aula só tentando manter a ordem? Deixe-me desenhar: Meio copo com leite é leite puro, meio copo com água é água pura, porém se misturar perde a qualidade porque terá um copo cheio de um líquido que nem é leite e nem é água!  A solução é Selecionar. Mérito a quem mérito; honra quem honra. "A diferença entre a empresa privada e a empresa pública é que aquela é controlada pelo governo, e esta por ninguém." (Roberto Campos).
           Por que a escola se mostra mais interessada no sucesso do aluno que ele mesmo a valoriza? Espero ter ajudado com minha experiência.
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 01/11/2015
Reeditado em 07/11/2015
Código do texto: T5434049
Classificação de conteúdo: seguro

domingo, 18 de outubro de 2015

EU NÃO SOU MINHA CALÇA XADREZ (Agostinho ou Chaves, eis a questão?)


Crônica

EU NÃO SOU MINHA CALÇA XADREZ (Agostinho ou Chaves, eis a questão?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Sempre gostei da estampa xadrez em minha vestimenta. Sinto-me alegre! Agora é preciso sentir-me palhaço para levar na brincadeira as afrontas da sociedade. Apesar de ter sido uma criança com medo de palhaço, já compreendo a importância dos palhaços trabalhando para trazer a alegria a muitos, embora, muitas vezes, estejam tristes. Por isso, quero despi-me de meu jaleco branco, camuflador de pó de giz, para usar permanentemente a indumentária alegre de quem vive em um circo, valendo-me assim da honra de um bom palhaço, também critico minha disposição em adequar-me ao comportamento enganoso que hoje o aluno, os pais, os colegas e o governo exigem da escola e do professor.
           O figurinista Cao Albuquerque, responsável pelas vestimentas do elenco dos mais queridos do seriado “A Grande Família”, da Rede Globo, disse: "Eu pensei que ele tinha que ser anos 1970, porque ele é o cafajeste, enganador, tem uma coisa clown (palhaço, em inglês) e farsesca. (...) O Pedro Cardoso, que interpreta o Agostinho, diz que o figurino ficou próprio de um clown. Ele acha muito legal do ponto de vista de que o figurino ajuda a ninguém ficar com raiva do personagem, mesmo que o Agostinho cometa as maiores barbaridades". (http://www.areah.com.br/cool/estilo/materia/6942/1/pagina_1/estilo-agostinho.aspx) - Acessado 20/10/2015.
           Todavia, o professor é um profissional com uma nobre função que é a de preparar os indivíduos para conviverem, servirem à sociedade e, quando necessário, transformá-la, tarefas nada fáceis. Por que, então, o professor é tão descredenciado por essa mesma sociedade que a ajuda a formar? Ora, o professor é um instigador de ideais, mas ele também precisa sentir prazer com o que faz, ou então, estará sendo obrigado a ser hipócrita, falando coisas em que não acredita, transmitindo emoções que não sente e isto mata a educação. Ou talvez, que se mate a educação antes que eu me mate!
           O lado bom de me fantasiar de palhaço  não é somente meu protesto aos desencantos da escola, mas conto com um poderoso recurso didático para socializar conteúdos da matriz curricular, pois alguns colegas já usam a fantasia de palhaço para facilitar suas aulas. O que vale além do mais é a sobrevivência. "Chegará um dia em que no lugar dos pastores alimentando as ovelhas haverá palhaços entretendo os bodes" -C. H. Spurgeon.
           Os alunos precisam mesmo é de professor ou de palhaço? Que tal um pouco dos dois! Que graça tem, um profissional agradar o cliente e continuar sendo o mesmo profissional? Vai desgastar! E por incrível que pareça, o que eles querem verdadeiramente é palhaço!  "Para a aluna Evely Fernanda Damaceno, de 11 anos, a aula fica muito mais interessante e engraçada. “Acho muito legal todas as aulas do professor Júlio. Meu recado para ele é que continue assim”, finaliza a estudante." (http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/com-nariz-de-palhaco-e-giz-na-mao-professor-inova-forma-de-dar-aula) - Acessado em 20/10/2015.
           Se no primário se acostumou com palhaçada, não se contentará com menos no Ensino Médio e na vida toda. Os que zombam de mim, chamando-me de Agostinho, vestem-se de "pega-marreco" (modelito do Chaves), e calça rasgada, faltando só o suspensório. Então, ninguém é sua calça! E, às vezes, estamos no circo errado! "É diferente, diferente eu também sou..."
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 17/10/2015
Reeditado em 18/10/2015
Código do texto: T5418006
Classificação de conteúdo: seguro

sábado, 3 de outubro de 2015

MILITARIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO ("Onde se cria muita dificuldade, há sempre alguém vendendo facilidades.")


Crônica

MILITARIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO ("Onde se cria muita dificuldade, há sempre alguém vendendo facilidades.")

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Eu sou a oportunidade automática deles cavarem suas consequências nefastas por que me maltratam. Porém, prefiro libertá-los, não cortando-lhes as asas, mas direcionando-os no vou.  Lori Tansey disse apropriadamente: "Burocracia atrapalha. Onde se cria muita dificuldade, há sempre alguém vendendo facilidades." Por que os alunos respeitam (temem) mais o coordenador que o professor se é deste que dependem para seu aprendizado? Digamos que respeito e medo são dois comportamentos diferentes.
            Estou presenciando a transformação de um colégio estadual comum em um militar, mudou-se o diretor, mas os professores e alunos continuam os mesmos. Ouço conversas sobre o que fazem, só por que andam bem uniformizados e debaixo de uma disciplina "rigorosa" já fazem jus ao prestígio de uma boa fama. A pedagogia da repressão nunca teve o respaldo de bons teóricos, porém os pais simpatizam, parece-lhes uma reposição dos cuidados que não podem aplicar em casa. Não sabendo eles que a escola não podendo assumir os dois papéis, formadora técnica e educadora familiar, deixa de fazer um, o seu próprio. Então, continuarão processando a entidade por ela não poder facilitar em todos os aspectos. Se a troca de gestão fez toda diferença nesse caso, o problema das demais deve ser a falta dessa solução. Minha pergunta é: o colégio militarizado adotará a aprovação sem mérito para abrilhantar as estatísticas? Pelo menos, já não faz mais um exame de seleção para matricular o aluno, apenas um sorteio dos que aparecerem.
           Eu sempre pensei que a escola deve ser excludente não por si só, mas pelas circunstâncias favoráveis, aquelas de seriedade e respeito que façam com que os ruins se evadam para procurar os atalhos nos rincões do sistema. A escola pouco ensinará quem não sabe ser aluno. Quero uma educação "includente" sim, bem no jeito que favorece os fracos, todavia esforçados, fazendo-os sentir o desejo de melhorar para acompanhar os fortes, não daquelas que estimulam e se empenham em puxar o "tapete" dos bons para nivelar todo mundo por baixo. Só não estou entendendo o seguinte: Os colégios militares são estaduais, e os professores estaduais estão mudando para os colégios não militarizados! Quem está vomitando quem? Ou quem está inadequado?
          Não aprovo o tradicionalismo na forma de educar, porque o homem é vivo. "Se você está fazendo alguma coisa da mesma maneira há dez nos, provavelmente está fazendo algo errado." (Charles Franklin Kettering).
           Além do mais, as pessoas devem ter a oportunidade de se autodisciplinar, ninguém deve ser regra e consciência para ninguém! Pessoas manipuladas, quando têm a certeza que não estão sendo observadas, fazem coisas horríveis! Pois que é como afirma Rafael de Oliveira Leme: "A arbitrariedade enaltece à ignorância, lapida a jactância e solidifica a idiotia." E como eu não sou o carpinteiro do mundo, por isso vou me recolher aqui em minha insignificância e meu último alento é para citar Michel de Montaigne: "Não podendo regularizar os outros, regularizo-me a mim mesmo."
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 24/09/2015
Reeditado em 03/10/2015
Código do texto: T5393337
Classificação de conteúdo: seguro

sábado, 26 de setembro de 2015

ESTRATÉGIA DE ALUNO (É cômoda a postura de robô, mas custa caro ao programador)


Crônica

ESTRATÉGIA DE ALUNO (É cômoda a postura de robô, mas custa caro ao programador)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Hoje, descobri que os alunos, nas brechas que o professor dá, como os advogados "espertos" que usam as brechas das leis para se beneficiarem, saem para fora da sala, na hora da aula, tumultuando a porta, afim de que a coordenadora veja e brigue com o pobre professor que desejava ser bom com eles! Foi isso que aquele aluno indisciplinado de oitavo ano passou-me na cara.
           Frustrado com minha proposta de ministrar aulas mesmo para quem não dá valor no que tenho para lhe ensinar, e sabendo que a maioria está ali para não sei o quê; justifico o meu trabalho e a dignidade de meu salário, com o que é possível fazer aos comportados que ainda querem aprender: minoria. Outros poucos, tipos preocupados com o auê, querem somente a atenção, ou querem apenas um expectador refinado, são carentes de prestígio. Eu não os ignoro, sou apenas um professor de Língua Portuguesa sem as credenciais de psicólogo, e quase sempre não faço as vezes!
          Por que tenho que falar aos indisciplinados, pedindo-lhes bom comportamento a cada minuto: à grande maioria? É um psiu para cá, um oba oba para lá e um óhhh para acolá! Porém, os do sétimo anos continuam jogando papel uns nos outros e passeando na sala. Parece-me que tudo que eles querem é mostrar que são os mais agressivos da sala e quem repete mais do lanche.  Querem mesmo é ser o centro dos olhares e minha fragilidade moral para abusarem dela. Perturbados, sofrem os professores de alto domínio de classe, que não é meu caso, diga-se de passagem, segundo os coordenadores exigentes, bons são os pautados pelos os "nãos" constantes, mantedores na rédia curta. São esses os que carregam os alunos perniciosos e irreverentes nas costas, tirando-lhes a oportunidade de aprender andar na direção e da forma correta: "com as próprias pernas". 
           Mas, reconsiderando, o que é "domínio de classe"? Penso que tem tanto poder quem diz não a tudo como quem, por tantas vezes, também diz sim, aos gostos desenfreados deles. Na verdade, o limite deles não termina quando começa o meu, invadem-me a paciência. Ora lhes digo não e ora lhes digo sim. Sou o comedidamente, fazendo o papel de palhaço, ora falando às cadeiras ocupadas por pessoas vazias. Contanto que não lhes corrija em público para não enfrentar um abaixo assinado de exclusão elaborado por eles, afinal o representante de sala é para isso! Nem falo mais que sua caligrafia é ilegível, pois, aconteceu-me outro dia, queriam me bater por isso. Eles são os que não querem usar sua autonomia para viabilizar sua aprendizagem e procuram os atalhos, até porque, o professor dominador está sempre disposto a assumir a responsabilidade por aqueles que aceitaram os seus muitos "nãos", é cômoda a postura de robô, mas custa caro ao programador. "Todos os opressores... atribuem a frustração dos seus desejos à falta de rigor suficiente. Por isso eles redobram os esforços da sua impotente crueldade."(Edmund Burke).
           Quem assume o controle dos outros paga o preço de sua escravidão, porém quem liberta os outros paga o preço da sua liberdade: Qual destas atitudes é a mais cara? Quem nos escraviza assume o controle das nossas consequências, e, se as administrar erradamente, pagará também por isso. E, não quero essa conta. Para mim, quem age irresponsavelmente, fazendo mau uso de sua liberdade, deve saborear sozinho suas consequências. Muitos por não se submeterem ao poder do mestre, controlam-no ao invés de serem controlados por ele, sendo que o mal sobrevirá repentinamente, como resultado disso, passando primeiro pelo controlador. Apagam-me e se fazem testas de ferro à minha frente. Que o coordenador brigue com eles e não comigo.
            No vespertino, fiz a seguinte reflexão sobre os alunos do fundamental: eles almoçam correndo, para chegar às 13h na escola e depois sair sem saber dizer, para sua mãe, o que se passou lá, conversando, bagunçando e concorrendo com o professor no maior esforço de mostrar que sabem mais, é tolice. Ainda, por cima, jogam a culpa no professor e acham quem os defenda! O que eles não sabem é que nunca se ensina adversário, mas parceiros. Ensinar é um ato de amor e aprender só é possível com respeito. A fala de Alice Walker, escritora estudo-unidense e ativista feminista, serve aqui para os dois lados: "Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio". Eu diria: Não é meu amigo quem abafa minha voz ou me obriga a calar. Paradoxal é o que faço, porém é o que devo fazer; aos adversários dou-lhes notas boas, também calando-lhes a boca, uma vez iludidos de bons, tornar-se-ão heróis sem caráter: (Macunaíma)! Tudo é muito simples até as medalhas de honra ao mérito eram apenas cerimoniais. Disse George Orwell: "A história é escrita pelos vencedores." Mas, hoje existem notícias de Heróis que, na verdadeira história, só aparecem quando matam seus professores. E a estratégia dos pais? Processar, e ganhar indenização da escola. Temos inúmeros casos como o desta notícia: http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI130206,101048-TJRJ+Colegio+tera+que+indenizar+familia+por+bullying+praticado+contra (acessado em 13/10/2016).
            Também a instituição me exige altos índices de aprovação! É como dar-me uma arma sem balas e uma missão sem fim: vencer "moinhos de vento"! Todo mundo finge estar a favor da escola, até quando ela vai resistir!?
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 17/09/2015
Reeditado em 26/09/2015
Código do texto: T5385825
Classificação de conteúdo: seguro

sábado, 5 de setembro de 2015

AS ÁGUAS VÃO ACABAR (CONOSCO)? ( O fim será, estocar água e correr atrás do vento)



Crônica

AS ÁGUAS VÃO ACABAR (CONOSCO)? ( O fim será, estocar água e correr atrás do vento)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

                Ouvi das instrutoras do curso sobre meio ambiente: "a água vai acabar". Então pensei, se a água vai acabar, para aonde ela irá? Ela vai se transformar em quê? Perguntei para alguém, se quando chove é um desperdício de água. Ele me disse que não, então insisti em lhe dizer que quando a torneira da cozinha está pingando não é também desperdício de água, a água é para a terra. O que está de fato desperdiçando, nesse caso, é o tratamento da água. Isto é, se a água da torneira for tratada! Mas, com as tecnologias avançadas que temos, afirmo que não faltará água potável e cada vez mais barata, para as utilizações humanas,  certo de que é, de fato, um bem público outorgado por Deus. 
           Depois pensei novamente, a água é tão importante quanto o ar. E este é tão poluído como a água, porém ninguém se atreve a dizer que o ar vai acabar! Todavia, quando os ricos começarem a medir o consumo de ar por pessoa, logo aparecerão leis para regulamentar e valorizar o consumo de ar, por isso não faltará quem diga que o ar irá acabar como dizem da água. A presidente Dilma reclamou tecnologias eficazes para se estocar vento, logo teremos campanhas, nas mídias, para se economizar vento. (http://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/dilma-vira-piada-mais-uma-vez-ao-sugerir-estoque-de-vento-47760/) (acessado em 09/10/2015).
            Agora vejo a população comum, incentivada e até pressionada por lei a economizar a água, sob ameaça de multa, enquanto os da classe alta se banhando de piscina em suas propriedades, e  enfeitando a varanda deles com cascatas iluminadas. 
           Alguém pode me dizer se o fogo vai acabar? E a terra, também vai acabar? Os quatro elementos fundamentais e sustentadores da vida na terra deveriam ser verdadeiramente bens públicos, e o tratamento para adequação de uso deveria ser o mais barato possível, devido as novas tecnologias de crescimento e a necessária manutenção da vida.
          Continuo achando que a conscientização é válida, sobre os depósitos do lixo, mas é inevitável que o crescimento populacional desenfreado produza maior quantidade de contaminação na água, no ar e na terra. Qual seria o local adequado para os lixos dos humanos? Não haverá lugar algum certo! Ou ainda, todos os lugares são certos! Só sei que qualquer aterro sanitário concorre com o espaço de alguém que precisa ser saudável. Selecionar e Incinerar talvez amenize por algum tempo, contudo a fumaça é um produto nocivo e a cinza também. É mais um remendo novo na roupa velha, dura pouco, e o buraco na camada de ozônio ficará maior!
           Lamento por lhe dizer coisas desagradáveis, todavia os que se deixam iludir por sofistas de discuso fácil pagam mais caro. Afinal, o que vão fazer os ecologistas, biólogos, químicos e engenheiros ambientalistas quando a população da terra for 13 bilhões de habitante, se hoje já está se precisando de cursos alarmantes? Só restará o espaço de dentro do homem para seu próprio lixo, o de fora já não cabe mais! Ou o homem dentro do lixo, ou o lixo dentro do homem. Um tem que dar lugar para o outro. E até quando? Como incinerar o lixo de dentro do homem, sem levá-lo junto? A faísca que alimenta a intolerância social. 
           Eles falam de forma complicada para a massa não entender e, aliás, nem sei o que querem dizer com "economizar água"!!! Será possível? O sol continua gratuitamente dessalinizando a água do mar e os céus devolvendo-nos água doce em forma de chuva. Sobretudo, o mercado de tecnologias criativas continuará criando novos e mais baratos métodos de purificação da água. Uma nascente é fechada aqui e abre-se naturalmente outra ali. A água não vai acabar porque quem projetou a vida na terra sabe tudo. O homem só destruirá a água quando aprender fabricá-la!
           O que isso tudo tem a ver com a educação? É que eu não sei qual das águas lavará nosso cérebro ou apenas nossos bolsos! Enquanto isso, penalizam-se uns e outros até a penalização de todos. A natureza se vira para combater o golpe da água!!! De fato, a água potável vai acabar para os pobres encabrestados.  https://aoquadrado.catracalivre.com.br/inovacao/suporte-para-bicicleta-gera-agua-enquanto-voce-pedala/
Kllawdessy Ferreira

Comentários


Enviado por Kllawdessy Ferreira em 01/09/2015
Reeditado em 05/09/2015
Código do texto: T5409851 
Classificação de conteúdo: seguro